terça-feira, maio 04, 2010

O PT NO MUNICÍPIO DE PALMA
 
A idéia de fundação do PT no município de Palma foi inicialmente desenvolvida por Washington Luiz Carneiro Ferreira e Fábio Luiz Ribeiro. Washington, filho de Luiz Prazeres Ferreira e Fabinho, filho do Ribeirinho, levaram de Juiz de Fora para Palma o sonho de construção do Partido dos Trabalhadores, nas proximidades do final do ano de 1979.
A primeira reunião com o objetivo de fundar o PT foi feita num dos últimos dias do mês de dezembro de 1979, na Praça Getúlio Vargas, em Palma-MG, no prédio da Companhia Força e Luz Cataguases-Leopoldina, na residência do Sr. José Luiz Ferreira, tendo participado da reunião Onze (11) pessoas, dentre as quais, Washington Luiz Carneiro Ferreira, Fábio Luiz Ribeiro, Luiz Ferreira da Silva Neto, Jésus Geraldo Ferreira, Paulo Darci Prazeres Ferreira, Walter Moura de Oliveira (o Doca), Silvio, conhecido como Silvinho e um rapaz conhecido como Baixinho. Todos saíram da reunião entusiasmados e dispostos a trabalhar pela construção do novo partido.
Durante os anos de 1980 e seguintes foi muito grande o esforço desenvolvido por várias pessoas, destacando-se algumas das que tomaram parte na primeira reunião, como o Washington, Fabinho, Paulo e Luiz, tendo tido também participação importante, nas tarefas desenvolvidas a partir de 1980, as seguintes pessoas: Marcos Petrilo de Paula, Renan de Paula e Niécio Drumond Santos de Paula. Deve-se também mencionar que foi muito importante a colaboração de várias pessoas filiadas ao PT de Juiz de Fora, destacando-se Ivan Barbosa, Paulo Delgado e , tendo sido realizadas várias reuniões, inclusive na zona rural, despertando o interesse de muitos trabalhadores.
As dificuldades para a criação do PT em Palma foram enormes. A começar pelo fato de que estávamos no período da ditadura militar, ficando os militantes mais ativos preocupados com a intimidação e perseguição das autoridades, principalmente da área policial, perseguição essa que se concretizou em várias oportunidades. Os militantes do PT também tiveram que enfrentar a resistência dos conservadores e reacionários caciques políticos locais que não se conformavam com o surgimento de uma agremiação partidária contrária aos seus egoísticos interesses.
A primeira Comissão Provisória do PT foi presidida por Washington Luiz Carneiro Ferreira.
O Partido dos Trabalhadores somente iria se consolidar em meados de 1981, ocasião em que se realizou a primeira convenção para eleger o diretório municipal, conselho fiscal e conselho de ética.
 
O PT NA POLÍTICA PALMENSE
 
A entrada do PT no cenário político de Palma provocou algumas alterações na vida política do município, principalmente na campanha eleitoral de 1982, quando seriam realizadas as eleições para governador, senador, deputado federal, deputado estadual, prefeito e vereador.
O Partido dos Trabalhadores, embora sem recursos financeiros, mas impulsionado pela boa disposição de sua militância, conseguiu realizar, em 1982, uma campanha eleitoral com vários comícios em Palma, Itapiruçu e Cisneiros, com boa freqüência de público em todos eles, com destaque especial para o de Cisneiros, no qual, segundo a opinião dos próprios petistas, compareceu um público de aproximadamente duas mil pessoas. A empolgação dos petistas era muito grande. O primeiro comício foi feito no centro de Palma, na Rua do Cinema e contou com a participação da candidata a governadora Sandra Starling, do candidato a prefeito Luiz Ferreira da Silva Neto, do candidato ao Senado Joaquim, de candidatos a deputado federal, de candidatos a deputado estadual, do candidato a Vice-Prefeito Murilo de Mendonça Freitas e dos candidatos a vereador. Outro comício realizado em Palma foi na Mina da Raimunda, próximo da Rua do Sapo. Em Itapiruçu o comício foi feito nas proximidades da estação da Rede Ferroviária Federal. Em Cisneiros o comício foi realizado na praça da estação ferroviária. Faltando poucos dias para a eleição, no último dia permitido pela legislação eleitoral, o PT realizou em Palma, o comício de encerramento da campanha, na Rua John Kennedy, no bairro do Mato Dentro.
PDS 1 e PDS 2, ainda carregando uma forte dose daquele antigo ranço de UDN e de PSD, não tiveram coragem de fazer comício, talvez porque ainda estava em vigor o regime militar.
Também o PMDB participou da disputa de 1982, lançando como candidato a prefeito o Juca Amaral, um dos mais tradicionais políticos da história do município de Palma.
Na campanha eleitoral de 1982, além da disputa municipal, estavam também em disputa os cargos de deputado estadual, deputado federal, senador e governador, este último tendo como candidatos, entre outros, Tancredo Neves pelo PMDB, Elizeu Rezende pelo PDS e Sandra Starling pelo PT.
Logo que começou a campanha, Palma foi invadida por uma absurda quantidade de faixas e cartazes em favor da candidatura de Elizeu Rezende, com várias faixas em cada rua da cidade e em quase todas as ruas. Como havia restrições para o uso de faixas e cartazes, impostas pela legislação eleitoral, o Partido dos Trabalhadores se apressou em requerer providências por parte das autoridades para que fosse coibido o abuso perpetrado pelo partido da situação, eis que o PDS era o partido oficial do governo federal. A princípio as autoridades ficaram como que de "corpo mole" para tomar as medidas previstas na lei, tendo o PT feito nova representação contra o PDS e desta feita ameaçando recorrer ao próprio povo, caso as autoridades não tomassem uma providência urgente. Imediatamente as autoridades ordenaram que as faixas fossem retiradas em 24 horas, ficando despoluído o visual da cidade. Existia lei que proibia aquele abuso, mas acreditamos que a pressão firme e corajosa feita pelo Partido dos Trabalhadores foi decisiva para que fosse tomada uma providência urgente.
Na eleição de 1982 havia uma regra que obrigava o eleitor a votar no mesmo partido, para todos os cargos. Era o voto vinculado. O eleitor não poderia votar num candidato a prefeito de um partido e num candidato a vereador de outro partido, o que de certa forma dificultava a decisão daqueles eleitores que queriam a vitória de um dos candidatos a prefeito, mas, ao mesmo tempo, tinha um parente ou um amigo que era candidato a vereador por outro partido.
Para os adeptos das candidaturas de Horacio Pompei pelo PDS e Mário Celso também pelo PDS, o que havia de mais importante na campanha era a disputa entre eles, ou seja, a décima contenda entre udenistas e pessedistas, sendo que tanto uns como outros não estavam dando atenção para as candidaturas de Luiz Ferreira da Silva Neto pelo PT e de Juca Amaral pelo PMDB. Para o pessoal do PSD o que importava era manter a hegemonia política local e tentar mais uma vitória na eleição para prefeito, o que representaria mais seis anos de domínio no município. Para a turma da UDN, que perdera a eleição anterior por minguados vinte e poucos votos, agora era a hora de não deixar escapar a oportunidade de derrotar o PSD e para concretizar um sonho que vinha sendo acalentado durante quase quarenta anos.
A eleição ocorreu com poucas irregularidades. Feita a apuração constatou-se a vitória de Mário Celso do PDS, com mais de duzentos votos sobre o segundo colocado, o Horácio Pompei também do PDS. Em terceiro lugar ficou o candidato do PT, Luiz Ferreira da Silva Neto, também conhecido como Touro, ficando em último lugar o candidato do PMDB, Juca Amaral.
A concretização do sonho udenista ficou mais uma vez adiada. Entretanto, se não houvesse as candidaturas do PT e do PMDB, a tão desejada "virada" da UDN poderia ter sido realizada, tendo em vista que os votos do Juca Amaral, somados com os do Luiz, dariam pelo menos para equilibrar a disputa  entre os dois primeiros colocados. PT e PMDB, ainda que indiretamente, ajudaram a concretizar a décima vitória do PSD sobre a UDN.
 
Texto de Paulo Prazeres

segunda-feira, fevereiro 08, 2010

Pastor brasileiro leva mensagem de negação religiosa à Índia
Por Eduardo Oliveira
http://www.oglobo.com/
Link: http://oglobo.globo.com/blogs/brasilcomz/

Fonte: http://oglobo.globo.com/blogs/brasilcomz/posts/2010/02/01/pastor-brasileiro-leva-mensagem-de-negacao-religiosa-india-262269.asp

Como um dos diretores do Brazilian Ministers Network, uma congregação religiosa de Boston, Josimar Salum é conhecido como pastor de opiniões fortes – e conversa sobre tudo, de política até briga de casais.

Josimar Salum junto indianos


Mas esse mês Salum começou pela Índia uma viagem missionária que deve passar pelo Brasil e Aruba, que tem uma curiosidade: a missão é espalhar a palvra de Jesus enquanto pede aos fiéis para serem menos religiosos.


"Nosso objetivo é levar a mensagem de Jesus, o Único Deus, e de ensinar aos seus líderes nestes países a fazerem discípulos de todas as nações. E a deixarem de ser religiosos. A mensagem é que todos se arrependam porque Seu Reino chegou à Terra para ficar," disse ele.

O blogueiro entrevistou Josimar Salum pela rede.

Entre uma visita a um vilarejo e uma parada para admirar a espiritualidade do país de Mahatma Gandhi, o pastor falou de fé, terrorismo, ser brasileiro, e da "balela" que algumas religiões, inclusive a evangélica, espalham.

Eduardo: Qual foi o detalhe mais interessante que você encontrou na viagem?

Josimar: Aqui na Índia como em todos os lugares as pessoas estão empanturradas de religião.

Religião é o maior problema da Terra. O maior gerador de guerras, conflitos e desentendimentos. Do hinduísmo passando pelo islamismo e por todas as religiões, até ao cristianismo, tudo é um esforço miserável e dispendioso para se fazer às pazes com os deuses.

Sem o conhecimento do verdadeiro Deus nada satisfaz o coração do homem.

Como Jesus não fundou nenhuma religião, nem o cristianismo, o cristianismo não pode satisfazer ninguém.

Encontrei na Índia o mesmo sistema religioso de outros países, seja ele hindu ou cristão.

As pessoas precisam encontrar a liberdade que é amar e servir a Jesus Cristo e por conseguinte seu próximo.

A morte e ressurreição de Jesus anunciam que além de Jesus estar vivo e muito bem, Ele deseja relacionar-se com o homem em todo o lugar.


Eduardo - Existe alguma ligação entre a história mundial atual e a sua missão? Falo de terrorismo e globalização?

Salum - Na cruz de Jesus (não nesta cruz monumento que as pessoas carregam), mas na cruz onde Ele morreu, Jesus fez a paz entre os homens e Deus e reconciliou os homens de todas as raças e religiões.

Ele chama a todos eles para que se reconciliem uns com os outros.

A história mundial está coberta de exemplos mostrando que onde a religião avançou, inclusive a cristã com as Cruzadas e a Inquisição, por exemplos, injustiças e terrorismos foram feitos em nome de "Deus", quero dizer, em nome de uma caricatura de Deus, como as bombas que mulçumanos radicais explodem em todo o mundo em nome de alá.

Onde o relacionamento verdadeiro com Jesus predominou, a Paz, o Progresso, a melhoria de vida, a Justiça Social avançaram sem medida. Por exemplo, as maiores descobertas científicas do século passado foram financiadas por discípulos de Jesus.

A globalização é um movimento pararelo para imitar o que o Senhor está fazendo em toda a terra. Ele está formando um só Rebanho e haverá um só Pastor.

No Reino de Jesus não tem escravos. Somente reis. Ele é o Rei dos reis. Seu Reino que foi perdido no Jardim do Éden com o pecado do primeiro casal retornou a Terra a dois mil anos atrás com a Sua Vinda.

A globalização que a Bíblia anuncia é que Ele dominará todos os reinos deste mundo ao ponto de todos estes reinos se tornarem um só Reino, o Reino de Deus e de Seu Messias Jesus Cristo.


Eduardo - Você acredita que ser brasileiro traz uma visão mais interessante, ou mais espiritualizada, sobre tudo o que você tem visto?

Salum - Acredito que sim na medida que compartilhamos nossas experiências frutos da diversidade e da convivência pacífica que trazemos do Brasil.

Acredito, por outro lado, que nossa religiosidade impede que tenhamos a visão correta do ponto de vista das reais necessidades do ser humano.

A religião sempre convive terrivelmente com a miséria.

Onde tem muita religião tem ignorância, cegueira, fanatismo e muita pobreza.

Quando existe riqueza nestes ambientes ela é compartilhada somente pelos líderes que oprimem e exploram seus seguidores. É uma elite gorda que subjuga e explora o restante desde o pastor mercenário que vende toalhinha ungida, o sadu propriétário de todo comércio e das casas da região, do bispo propriétario da fábrica de santinhos, do aiatolá dono dos poços de petróleo, etc.

Você vê gente aqui na Índia tomando banho em águas de esgoto de todas as classes sociais para se purificarem. Você vê artistas famosos e gente letrada viajando do mundo inteiro para fazer a mesma coisa.

Em um jornal local de Calcutá li e vi uma foto de uma modelo brasileira que tomou um destes "banhos" e o que ela pode relatar foi somente que "um monte de energia junta entrou dentro dela."

Um ser humano que experimenta uma energia que não sabe nem definí-la perdeu sua individualidade e genuinidade, que o Criador lhe concedeu.

Esta moça é especial, criada por um Deus pessoal, única em todas as épocas, alguém que tem e só ela as únicas impressões digitais diferentes de ninguém que existiu ou existirá depois dela.

Ela, como todos nós, precisa conhecer e experimentar o relacionamento com Jesus e Seu Espírito, relacionamento pessoal e não com uma força cósmica ou imaginária.

Jesus não é uma força, nem uma energia, mas uma Pessoa que interage com gente que pensa e pensa bem.


Eduardo - Para quem não é evangélico, mas tem o seu lado espiritual, qual elemento você tem visto que tem faltado na vida das pessoas?

Salum - Eduardo, estou cansado de religião, da evangélica inclusive. E de "balela".

Falta na vida das pessoas verdadeira Paz, não paz de conversa, mas da verdadeira Paz que só tem quem aceitou a Paz que Jesus fez entre o homem e Deus na cruz do calvário.

As pessoas se sentem condenadas, seja pela consciência, seja pelos parâmetros sociais, seja pelos seus pecados, seja pela sua família, e por aí vai...

Jesus não veio trazer condenação a ninguém. Pelo contrário Ele veio livrar o homem do pecado e da culpa dele. Ele trouxe o perdão para aqueles que arrependidos confiam no que Sua morte e ressurreição representam.

Tem gente que vive fazendo boas obras e caridade para tentar receber a salvação.

Tem gente que depois que recebe a salvação (como muitos evangélicos) ou acha que recebeu passa fazer um monte de coisas ou observar um monte de leis e preceitos para tentar mantê-la. Não. Jesus fez na cruz uma obra total e perfeita.

O que tem faltado na vida das pessoas, sejam evangélicas ou não, é JESUS.

sexta-feira, fevereiro 05, 2010

Lembranças de Cisneiros

O cisneirense nunca esquece o lugar onde nasceu ou morou. Sempre recebo e-mails de pessoas que tomam conhecimento do blog e ficam felizes de relembrar a infância ou terra dos pais e avós. Dias atrás recebi o e-mail com este depoimento de Luzia Meira:

"Meu nome é Luzia, nasci em Recreio em julho de 1945. Meu pai era natural de Palma e minha mãe de Recreio. Mudamos para Cisneiros no ano de 1946. Fomos morar no lugar chamado Aliança. Nesta foto está minha família, meu pai Antônio Joaquim da Silva, apelido Sinhô, minha mãe Rosa Meira da Silva, meus irmãos José, Antônio, Rubens, Paulo, Tarcisio, Sebastião, Fátima e Graça e minha cunhada Zulmira. Esse lugar fica um pouco distante de Cisneiros. Na frente da casa onde morávamos tinha uma olaria grande onde meu pai, meu avô e meus irmãos mais velhos trabalhavam. Um pouco mais para frente nossos vizinhos mais próximos - a fazenda do Sr. José Lima e a esposa Dona Jota, que mais tarde tornaram-se compadres de meus pais. Sua filha Maria José, minha amiga de infância, a qual brincávamos muito".

Primeira comunhão

Família na Rua Niterói


Rubens(Bibinho), Paulo, Tarcísio, Antônio, José e Luzia (da esquerda para direita).


A família e alguns amigos



Luzia e as primas e amiga Vera Lúcia Gonçalves - na ponte de ferro por volta de 1963.


Sebastião, Fátima, Graça e Luzia em 2003

Na ponte de Itapiruçú - 2003