segunda-feira, fevereiro 08, 2010

Pastor brasileiro leva mensagem de negação religiosa à Índia
Por Eduardo Oliveira
http://www.oglobo.com/
Link: http://oglobo.globo.com/blogs/brasilcomz/

Fonte: http://oglobo.globo.com/blogs/brasilcomz/posts/2010/02/01/pastor-brasileiro-leva-mensagem-de-negacao-religiosa-india-262269.asp

Como um dos diretores do Brazilian Ministers Network, uma congregação religiosa de Boston, Josimar Salum é conhecido como pastor de opiniões fortes – e conversa sobre tudo, de política até briga de casais.

Josimar Salum junto indianos


Mas esse mês Salum começou pela Índia uma viagem missionária que deve passar pelo Brasil e Aruba, que tem uma curiosidade: a missão é espalhar a palvra de Jesus enquanto pede aos fiéis para serem menos religiosos.


"Nosso objetivo é levar a mensagem de Jesus, o Único Deus, e de ensinar aos seus líderes nestes países a fazerem discípulos de todas as nações. E a deixarem de ser religiosos. A mensagem é que todos se arrependam porque Seu Reino chegou à Terra para ficar," disse ele.

O blogueiro entrevistou Josimar Salum pela rede.

Entre uma visita a um vilarejo e uma parada para admirar a espiritualidade do país de Mahatma Gandhi, o pastor falou de fé, terrorismo, ser brasileiro, e da "balela" que algumas religiões, inclusive a evangélica, espalham.

Eduardo: Qual foi o detalhe mais interessante que você encontrou na viagem?

Josimar: Aqui na Índia como em todos os lugares as pessoas estão empanturradas de religião.

Religião é o maior problema da Terra. O maior gerador de guerras, conflitos e desentendimentos. Do hinduísmo passando pelo islamismo e por todas as religiões, até ao cristianismo, tudo é um esforço miserável e dispendioso para se fazer às pazes com os deuses.

Sem o conhecimento do verdadeiro Deus nada satisfaz o coração do homem.

Como Jesus não fundou nenhuma religião, nem o cristianismo, o cristianismo não pode satisfazer ninguém.

Encontrei na Índia o mesmo sistema religioso de outros países, seja ele hindu ou cristão.

As pessoas precisam encontrar a liberdade que é amar e servir a Jesus Cristo e por conseguinte seu próximo.

A morte e ressurreição de Jesus anunciam que além de Jesus estar vivo e muito bem, Ele deseja relacionar-se com o homem em todo o lugar.


Eduardo - Existe alguma ligação entre a história mundial atual e a sua missão? Falo de terrorismo e globalização?

Salum - Na cruz de Jesus (não nesta cruz monumento que as pessoas carregam), mas na cruz onde Ele morreu, Jesus fez a paz entre os homens e Deus e reconciliou os homens de todas as raças e religiões.

Ele chama a todos eles para que se reconciliem uns com os outros.

A história mundial está coberta de exemplos mostrando que onde a religião avançou, inclusive a cristã com as Cruzadas e a Inquisição, por exemplos, injustiças e terrorismos foram feitos em nome de "Deus", quero dizer, em nome de uma caricatura de Deus, como as bombas que mulçumanos radicais explodem em todo o mundo em nome de alá.

Onde o relacionamento verdadeiro com Jesus predominou, a Paz, o Progresso, a melhoria de vida, a Justiça Social avançaram sem medida. Por exemplo, as maiores descobertas científicas do século passado foram financiadas por discípulos de Jesus.

A globalização é um movimento pararelo para imitar o que o Senhor está fazendo em toda a terra. Ele está formando um só Rebanho e haverá um só Pastor.

No Reino de Jesus não tem escravos. Somente reis. Ele é o Rei dos reis. Seu Reino que foi perdido no Jardim do Éden com o pecado do primeiro casal retornou a Terra a dois mil anos atrás com a Sua Vinda.

A globalização que a Bíblia anuncia é que Ele dominará todos os reinos deste mundo ao ponto de todos estes reinos se tornarem um só Reino, o Reino de Deus e de Seu Messias Jesus Cristo.


Eduardo - Você acredita que ser brasileiro traz uma visão mais interessante, ou mais espiritualizada, sobre tudo o que você tem visto?

Salum - Acredito que sim na medida que compartilhamos nossas experiências frutos da diversidade e da convivência pacífica que trazemos do Brasil.

Acredito, por outro lado, que nossa religiosidade impede que tenhamos a visão correta do ponto de vista das reais necessidades do ser humano.

A religião sempre convive terrivelmente com a miséria.

Onde tem muita religião tem ignorância, cegueira, fanatismo e muita pobreza.

Quando existe riqueza nestes ambientes ela é compartilhada somente pelos líderes que oprimem e exploram seus seguidores. É uma elite gorda que subjuga e explora o restante desde o pastor mercenário que vende toalhinha ungida, o sadu propriétário de todo comércio e das casas da região, do bispo propriétario da fábrica de santinhos, do aiatolá dono dos poços de petróleo, etc.

Você vê gente aqui na Índia tomando banho em águas de esgoto de todas as classes sociais para se purificarem. Você vê artistas famosos e gente letrada viajando do mundo inteiro para fazer a mesma coisa.

Em um jornal local de Calcutá li e vi uma foto de uma modelo brasileira que tomou um destes "banhos" e o que ela pode relatar foi somente que "um monte de energia junta entrou dentro dela."

Um ser humano que experimenta uma energia que não sabe nem definí-la perdeu sua individualidade e genuinidade, que o Criador lhe concedeu.

Esta moça é especial, criada por um Deus pessoal, única em todas as épocas, alguém que tem e só ela as únicas impressões digitais diferentes de ninguém que existiu ou existirá depois dela.

Ela, como todos nós, precisa conhecer e experimentar o relacionamento com Jesus e Seu Espírito, relacionamento pessoal e não com uma força cósmica ou imaginária.

Jesus não é uma força, nem uma energia, mas uma Pessoa que interage com gente que pensa e pensa bem.


Eduardo - Para quem não é evangélico, mas tem o seu lado espiritual, qual elemento você tem visto que tem faltado na vida das pessoas?

Salum - Eduardo, estou cansado de religião, da evangélica inclusive. E de "balela".

Falta na vida das pessoas verdadeira Paz, não paz de conversa, mas da verdadeira Paz que só tem quem aceitou a Paz que Jesus fez entre o homem e Deus na cruz do calvário.

As pessoas se sentem condenadas, seja pela consciência, seja pelos parâmetros sociais, seja pelos seus pecados, seja pela sua família, e por aí vai...

Jesus não veio trazer condenação a ninguém. Pelo contrário Ele veio livrar o homem do pecado e da culpa dele. Ele trouxe o perdão para aqueles que arrependidos confiam no que Sua morte e ressurreição representam.

Tem gente que vive fazendo boas obras e caridade para tentar receber a salvação.

Tem gente que depois que recebe a salvação (como muitos evangélicos) ou acha que recebeu passa fazer um monte de coisas ou observar um monte de leis e preceitos para tentar mantê-la. Não. Jesus fez na cruz uma obra total e perfeita.

O que tem faltado na vida das pessoas, sejam evangélicas ou não, é JESUS.

sexta-feira, fevereiro 05, 2010

Lembranças de Cisneiros

O cisneirense nunca esquece o lugar onde nasceu ou morou. Sempre recebo e-mails de pessoas que tomam conhecimento do blog e ficam felizes de relembrar a infância ou terra dos pais e avós. Dias atrás recebi o e-mail com este depoimento de Luzia Meira:

"Meu nome é Luzia, nasci em Recreio em julho de 1945. Meu pai era natural de Palma e minha mãe de Recreio. Mudamos para Cisneiros no ano de 1946. Fomos morar no lugar chamado Aliança. Nesta foto está minha família, meu pai Antônio Joaquim da Silva, apelido Sinhô, minha mãe Rosa Meira da Silva, meus irmãos José, Antônio, Rubens, Paulo, Tarcisio, Sebastião, Fátima e Graça e minha cunhada Zulmira. Esse lugar fica um pouco distante de Cisneiros. Na frente da casa onde morávamos tinha uma olaria grande onde meu pai, meu avô e meus irmãos mais velhos trabalhavam. Um pouco mais para frente nossos vizinhos mais próximos - a fazenda do Sr. José Lima e a esposa Dona Jota, que mais tarde tornaram-se compadres de meus pais. Sua filha Maria José, minha amiga de infância, a qual brincávamos muito".

Primeira comunhão

Família na Rua Niterói


Rubens(Bibinho), Paulo, Tarcísio, Antônio, José e Luzia (da esquerda para direita).


A família e alguns amigos



Luzia e as primas e amiga Vera Lúcia Gonçalves - na ponte de ferro por volta de 1963.


Sebastião, Fátima, Graça e Luzia em 2003

Na ponte de Itapiruçú - 2003