segunda-feira, agosto 14, 2006

A polícia de Palma e Miracema

Anos após o assassinato de Firmo de Araújo ainda existiam divergências entre as autoridades de Palma e Miracema, como pode-se ler abaixo no artigo transcrito do jornal "Cataguazes". A divisa entre os dois estados nesta época já estava praticamente definida, mas mesmo assim, criminosos aproveitavam para ir de um lado a outro, deixando as autoridade impotentes, diante da necessidade de papéis autorizando o exercício de sua função.

Palma
"Covardia Assassina"
"O Bloco", pequeno porém, bem noticioso semanario que se publica em Miracema, prospero districto de Padua e limitrophe com este municipio, sob a epigraphe supra, estampou no noticiario de seu numero de 20 do corrente, a descripção de um assassinato barbaro e inqualificavel praticado por José Moreira Alvim, na fazenda "S. Pedro" d’aquelle districto.
Tratando do monstruoso crime e de seu barbaro autor, "O Bloco" descreve este como um criminoso reincidente e de temperamento exaltado, estygmatisando-o como bem merecem as féras humanas, que assim ri e perversamente procedem.
Quanto ao crime, em sua natureza,classifica-o com as cores rubras de que o mesmo se revestiu, capaz de revoltar a mais empredernida consciencia.
Referindo-se á acção da Policia de Miracema, nas pesquizas para descoberta do criminoso e sua captura, dá a entender o orgão citado, ter elle se homisiado no territorio deste municipio e que infructiferos foram os esforços do subdelegado local, sr. Francisco Homem, porque, as "autoridades mineiras, em vita da protecção de que gosa o assassino, dos politicos daquella terra, negaram-se a auxilial-os, allegando excesso de serviço e deficiencia de praças".
Bem e acertadamente andou o periodico miracemense, salvo no final de sua narrativa, que reproduzimos textualmente, em grypho. José Moreira Alvim, pertence a uma das maiores familias do municipio de Palma, tendo aqui em Palma poderoso nucleo de parentes, em sua maioria, aliás bem collocados.
Mas, por um desses falsos designios da sórte, é elle realmente um homem perigoso, graças á benevolencia do jury que o absolveu há 4 ou 5 annos, nesta comarca, quando não se fazia mysterio de outro delicto abominavel em que incorrera, ennodoando-se e salpicando lama nos seus, crime esse que não pudera ter correctivo, porquanto mais poderosa fôra a onda complacente, que, com esforço inaudito absolveu a que reclamava vindicta ou pretendia se desaggravar. A esses crimes, reune-se então o de agora, que fazem de seu autor um typo heterogeneo de monstro adequado a figurar em um galeria de phenomenos humanos ou n’um museu de delebridades".
Fechando este parenthesis, propositalmente aberto para algo dizermos do criminoso citado e de seus feitos, argumentaremos ligeiramente provando que "O Bloco", foi mal informado quanto ao final do noticiario citado. Não só José Moreira, não gosa da protecção das actuaes autoridades deste municipio, como estas tem por nórma agir com independencia e energia, sempre que sua acção seja reclamada, em termos e com as prescripções da Lei.
Sem, ao menos de leve, pretender menoscabar os predicados do Sr. Francisco Homem, cujo conceito, como autoridade zelosa no cumprimento dos deveres inherentes a seu cargo, transpõe seu districto e penetra em regiões distantes, somos forçados a confessar, que, se no caso vertente não recebeu elle o auxilio das autoridades de Palma, foi única e exclusivamente por escapar a estas competencias para proceder de accôrdo com a requisição feita para a captura de José Moreira.
O facto criminoso occorreu no dia 12 do mez de Junho hontem findo, em pleno dia. Só no dia seguinte, 13, ao anoitecer, foi o capm. Cesario Maldonado, activo delegado de policia deste Municipio, delle scientificado pelo telephonee, talvez pela razão de não ter sido facil, com os primeiros investigações, saber a autoridade de Miracema que fôra o autor do revoltante crime, porquanto, segundo informações que temos, o criminoso ameaça a suas testemunhas de vista, as quaes, só depois de muito tempo decorrido e com habilidade, fizeram exposição do facto, declinando o nome de seu autor.
O capm. Maldonado concedeu então permissão para que a policia de Miracema se internasse neste municipio e effectuasse a prisão do criminoso, deixando de mandar uma escolta, pedida como auxilio, por não ter força disponivel. Ainda que assim fizesse, não seria regular a providencia, porquanto já não era mais um caso de flagante delicto, visto ter se passado mais de 24 horas da consummação do crime.
No dia seguinte, 14 em officio, o capitão Maldonado, requisitou do subdelegado de Miracema, a remessa do mandado da autoridade competente, para que pudesse agir como de Lei. Sem resposta desse officio, a 15, recebeu outro da mesma autoridade e relativo ao caso.
Ora, escapando á competencia da autoridade policial intervir em casos dessa naturesa cuja diligencia só poderia ser feita á requisição de autoridade judiciará do municipio do crime, não vemos onde encontrar a desidia das autoridades mineiras.
Não sendo nosso proposito de, simplesmentes por teimosia contradictar o orgão Miracemense, e sim, trazer luz a um facto por elle narrado, talvez por informações erroneas, trazemos ao mesmo periodico a nossa adesão, pelo zelo e solicitude de que dá mostra, quando trata de crimes, que á Justiça compete apurar, para desaffronta da sociedade tão villipendiada em nossos dias.
È inconteste que habitamos um municipio já legendarios nos annaes do crime. Dahi, porém, não se infira que as autoridades de Palma formem alas com transgressores da Lei, sejam quaes foram elles, maxime agora, com o capm. Maldonado, o fantasma dos delinquentes, que, nos poucos mezes de sua gestão abarrotou a cadeia local de criminosos de toda especie, pronunciados há 10, 15 e 20 annos e que vagueavam desassombrado dente do proprio municipio, effectuando tambem, em Volta Grande, a prisão de um celebre Antonio Mathias, autor do estrangulamento de uma indefesa senhora, em Sabará, cujo jury acaba de conteplal-o com 30 annos de reclusão. "O Bloco" foi mal informado, não há duvida. A zelosa autoridade de Miracema terá sempre no delegado de Palma um bom auxiliar para a permuta de favores policiaes.
(Do correspondente)
Jornal Cataguazes – Nº 39 – 04/07/1915

Nenhum comentário: