sábado, julho 15, 2006

Cinema de Cisneiros

Ari Mendonça(tio de Célia Mendonça, esposa de Filinho Finamore) abriu o cinema de Cisneiros em frente à máquina de arroz e como não apresentou lucro, queria fechar.
Então Filinho Finamore, Zezinho Catraca e Olinto Igreja compraram o maquinário e passaram a usar uma sala emprestada, na casa de Antônio Josino Finamore. Mesmo assim continuou apresentando prejuízos e continuaram para não acabar com um dos poucos divertimentos dos cisneirenses.
Rosalina Fagundes Finamore lembrou que tocava uma sirene, alertando a população que haveria exibição de filme.
Certa vez, Antônio Finamore perguntou para Agonia que filme seria exibido e ela respondeu: "Meia noite de amor" e este respondeu: "meia noite de amor é muito pouco, bom é a noite inteira".
A projeção bastante precária, visto que não existia piso inclinado e quando um espectador levantava, sua cabeça projetava na tela. Um cisneirense, assíduo frequentador, quando coçava a cabeça, seu cabelos eriçavam e causava murmúrios e reclamações dos outros espectadores.

Escrito conforme entrevista com Samuel José Pires Finamore e Walmy Finamore, realizada por Ana Clara Fagundes Finamore Frederic

2 comentários:

Hilka disse...

eu de de novo queria saber noticia crube toco preto na marli era nossa discoteca do momento; sobre o filme que passava no cinema de cisneiro meia noite de amor saiu de cartaz porque?

Hilka disse...

o jorge da ilha ainda eeeeeeeeee.quero saber noticia do poeta que fui varias ves na ilha pesca com carlinho pescado e la era o ponto de comessar o trabalho me parece que aquela figura historica e carioca sera? se ouver oportunidade darei um abraco forte gosto muito dessa pesssoa ilustre que e o senhor jorge um abraco joaozinho